Para uma carona funcionar, não ande com idiotas, diz o estudo

  • Jacob Hoover
  • 0
  • 827
  • 102
Os cientistas descobriram que, se você combinar as pessoas por compatibilidade social e geográfica, as chances de sucesso na carona aumentam. Banco de Imagens / Getty Images

Já é difícil ir para o trabalho, mas e se você estiver preso no carro com alguém que acha chato, chato ou até ofensivo? Bem, é provável que até a pessoa mais ecológica volte ao status de motorista solteiro. Essa é a premissa com a qual os pesquisadores da University of Waterloo estavam trabalhando em um estudo publicado recentemente na Transportation Research Part C. O estudo é o primeiro passo para desafiar crenças tradicionalmente sustentadas sobre sistemas de compartilhamento de caronas e desenvolver um que coloque mais peso no componente social.

"Normalmente, a carona consiste apenas em combinar as pessoas, dependendo da localização geográfica e do horário", disse o autor do estudo Bissan Ghaddar, professor de engenharia de gestão em Waterloo, em um comunicado à imprensa. "Queríamos incluir o aspecto social na equação, porque é sempre estranho quando há silêncio no carro, especialmente se for um trajeto longo."

Os pesquisadores usaram vários métodos para desenvolver o GRAAL, que eles descrevem como "uma metodologia baseada em dados para o GReen e a carona social". Eles analisaram os feeds do Twitter de aspirantes a carpoolers para coletar dados úteis sobre seus interesses pessoais. Em seguida, eles analisaram como os círculos sociais dos usuários do Twitter funcionaram para determinar uma medida de diversão. Isso levou em consideração a afinidade (similaridade de tópicos entre os usuários), bem como a homofilia, ou como as pessoas tendem a procurar tipos semelhantes de pessoas.

Esses 'companheiros de carona' estão se divertindo. Stephen Curry realiza um Carpool Karaokê com James Corden durante 'The Late Late Show with James Corden', 3 de abril de 2017. Terence Patrick / CBS via Getty Images

Eles também conduziram uma pesquisa online onde as pessoas foram apresentadas a duas opções - uma opção de passeio mais ecológica, mas menos social, e um passeio mais social e um pouco menos sustentável. Trinta e nove por cento das 237 respostas obtidas estavam inclinadas a tomar a solução social.

O algoritmo do computador combinou carpoolers com base não apenas na localização e programação, mas também nessas preferências de personalidade identificadas. Os pesquisadores então tentaram simular esse algoritmo de matchmaking usando dados de carpoolers reais em São Francisco e Roma. Eles determinaram que carpoolers felizes e compatíveis resultaram em um declínio de 40% no uso do carro em San Francisco e de 57% em Roma.

Por incrível que pareça, o método GRAAL ainda não foi testado em campo. “Estamos explorando a possibilidade de parceria com agências de mobilidade de algumas cidades, para testar essa solução com os usuários finais”, escrevem os pesquisadores no estudo. "O objetivo deste artigo foi conceber uma metodologia teórica, baseada em dados, começando com os dados disponíveis online e terminando nas recomendações."

Até então, talvez apenas faça uma rápida entrevista de texto antes de entrar no carro de algum estranho? Já existe raiva na estrada suficiente no mundo!

Agora isso é loucura As estradas dos EUA sozinhas têm mais de 250 milhões de carros em uso!



Ainda sem comentários

Os artigos mais interessantes sobre segredos e descobertas. Muitas informações úteis sobre tudo
Artigos sobre ciência, espaço, tecnologia, saúde, meio ambiente, cultura e história. Explicando milhares de tópicos para que você saiba como tudo funciona